setembro 12, 2005

"Não há como combater a corrupção sem demolir a casa-grande"

"A corrupção é a contrapartida da desigualdade social, e ambas são conseqüência da submissão ao império. No Brasil, uma casa-grande vassala garante a remessa de bilhões aos cofres imperiais, mantém o povo desorganizado, cria as condições para a recolonização do país. A corrupção dos homens públicos é um componente necessário, não eventual desse modelo. Ela organiza os arautos da casa-grande, compra cumplicidades, embota consciências. Não há como combater a corrupção sem demolir a casa-grande, nem há como combater o império sem lutar contra os mecanismos da corrupção que organiza os seus porta-vozes. A luta contra a corrupção é a luta contra o império e seus cães de guarda. Isso, precisamente, a mídia não diz. Mas também não é isso o que pensam Lula, José Dirceu e companhia. Durante o seu depoimento à Comissão de Ética da Câmara, no dia 2 de agosto, ao ser indagado sobre as razões que levaram o presidente Lula a não ordenar a investigação dos esquemas de corrupção do governo anterior, Dirceu respondeu que isso poderia impedir a "governabilidade" do país. Triste réquiem: conduzido aos salões dos patrões, o servo, deliciado com as luzes, os tapetes e as orgias, não quis estragar a festa. Mas a festa não era para ele, o pobre-diabo. Só que ele não sabia".
José Arbex Jr. jornalista "E agora, José?"
Revista Caros Amigos. Agosto 2005

Nenhum comentário: