agosto 31, 2006

adeus

When asked how he wanted to be remembered Glenn said "he did his best and he believed in God"

foto memória

agosto 30, 2006

caros & leitores

A sociedade brasileira viveu ao longo de sua história basicamente três modelos econômicos que determinaram a organização da economia, do Estado, da sociedade e das relações sociais.

...

o Brasil vive uma crise de modelo econômico. Está carente de um projeto de desenvolvimento nacional que consiga organizar a produção, não para o lucro ou exportação, mas para resolver as necessidades básicas da população. Que distribua renda e garanta trabalho, educação e saúde para todos.

O Brasil precisa de um projeto que unifique as energias do povo em torno dele, para resolver efetivamente seus problemas.

Os políticos estão desmoralizados e também não têm interesse em debater realmente os problemas do povo. As eleições se transformaram em campeonatos de marketing pagos a peso de ouro. Vejam a denúncia do TSE: os candidatos vão gastar 20 bilhões de reais nas campanhas. Somando os salários de todos eles no congresso durante os quatro anos, o total fica muito longe disso. Então, por que gastam tanto? Por que as empresas investem tanto nos políticos? Para manter tudo como está. Ou seja, as empresas e o modelo neoliberal é que são a fonte de toda corrupção financeira, moral e política.

Diante disso, o que fazer? Os movimentos sociais, as pastorais sociais, a semana Social da CNBB, a Coordenação de Movimentos Sociais (CMS), a articulação das ONGs., da ABONG, a Marcha Mundial das Mulheres, a via Campesina do Brasil e muitas outras entidades e movimentos estão empenhados em debater um verdadeiro projeto para o país. Já iniciamos no ano passado, e vamos dar continuidade este ano ao maior número possível de debates nos municípios, em torno das assembléias populares. Depois realizaremos plenárias estaduais e culminaremos em março de 2007 com uma grande assembléia nacional popular, com delegados de todo o país. Para então consolidarmos as propostas que as bases apresentaram.

Mas certamente não bastará debatermos, termos clareza do Brasil que queremos e das propostas de mudanças necessárias para resolver os problemas do povo brasileiro e da nação brasileira. Será necessário acima de tudo construir forças populares organizadas, que tenham consciência política, que se mobilizem em torno do mesmo projeto e façam lutas sociais. E através dessas lutas conquistarmos os direitos já consagrados na Constituição. Tudo isso para alcançar um reascenso do movimento de massas que coloque em cheque esse modelo neoliberal subordinado ao imperialismo.

Temos certeza de que o povo brasileiro vai se levantar. Porque objetivamente o neoliberalismo não resolve os problemas do povo, os agrava e com isso cria as condições objetivas para nos mobilizar. Somente isso vai realmente mudar o país.

João Pedro Stedile in ‘Precisamos de projeto’

Caros Amigos, edição de Agosto

uma opinião

O programa de governo de Lula

Ainda que não seja nenhum arroubo novidadeiro, o programa de Lula para um eventual novo mandato deixa nas entrelinhas a seguinte impressão: embora PT e PSDB tenham governado o país, desde 1994, sob o pano de fundo da limitada margem de manobra que governos de países do Terceiro Mundo possuem hoje em dia para formular e implementar políticas públicas, dados os constrangimentos impostos a eles pela globalização econômica, parece que Lula e o PT crêem no Estado como um instrumento ainda muito relevante para o desenvolvimento. Pelo que foi o governo FHC e pelo pouco que se sabe, até o momento, do programa de Alckmin, parece que os tucanos creditam aquele papel mais às forças de mercado, tendo no Estado um ente mais regulador do que interventor. Se vier a ser reeleito, e se, de fato, fizer um governo de acordo com o que promete em seu programa, Lula poderá demonstrar se há realmente diferenças significativas em termos de projeto de desenvolvimento entre PT e PSDB. Não seria sem tempo, já que essa distinção, pelo menos pelo que foi seu mandato até aqui, para muita gente não ficou clara.

Wagner Iglecias (doutor em Sociologia e professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades de USP)

in blogentrelinhas.blogspot.com

agosto 29, 2006

justa homenagem

Detalhe da réplica do novo passaporte eletrônico português que ontem foi apresentado na Casa da Moeda, em Lisboa. O novo documento, com mais segurança, tem um chip onde é gravada informação sobre o titular.

Foto: Inácio Rosa/Lusa

Katrina, um ano depois

A destruição ainda é bem visível nas ruas de Nova Orleans. A reconstrução é lenta mas os sobreviventes não perdem a coragem.

Foto: Lee Celano / Reuters Nem mesmo o cansaço demove a coragem dos habitantes de Nova Orleans

Nenhum presidenciável fala na Amazônia ...

que o Brasil está ameaçado de perder, de dentro para fora

Helio Fernandes

Aumenta a pressão pela internacionalização da Amazônia, no embalo do efeito estufa e do aquecimento global que mobilizam a opinião pública mundial a respeito da necessidade de preservar o meio ambiente. É claro que não temos nada contra a preservação do meio ambiente, mas é preciso analisar a situação da Amazônia também sob o ponto de vista dos países que a compõem.

O governo brasileiro parece se manter inerte, indiferente e insensível à grave questão, enquanto os chefes militares das três Forças estão cada vez mais preocupados. Especialmente porque o Itamaraty decidiu adotar uma postura colaboracionista com a campanha internacional em defesa das chamadas "nações" indígenas. Isso nada mais é do que uma forma encoberta de entregar a Amazônia à internacionalização.

A posição do Itamaraty é indefensável, indecorosa e indesculpável, exatamente quando a ONU está discutindo a estratégica Declaração das Nações Unidas Sobre os Povos Indígenas. O ponto crucial é que a declaração inclui entre os inalienáveis "direitos indígenas" a autodeterminação e a autonomia sobre os territórios e recursos naturais, violentando a Constituição brasileira.

No Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, que é a primeira instância, a delegação do Brasil estranhamente votou a favor dessa autodeterminação. Quer dizer: se depender dos nossos representantes na ONU, já poderíamos dar o assunto por encerrado e criar logo centenas de novos países no território nacional.

A sorte do Brasil é que alguns países integrantes do conselho ainda temem a violação da integridade nacional. Por isso, não se conseguiu consenso no documento final. Foram dez abstenções. As notícias divulgadas pela ONU dão conta de que Brasil, Reino Unido e França, que em princípio eram contra, acabaram convencidos pelos "representantes indígenas".

Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia e Argentina, além da Federação Russa e do Canadá, afirmaram temer que a soberania nacional (deles) seja ameaçada pela autodeterminação plena dos povos indígenas. O receio é de que isso represente ameaça à soberania e à garantia dos direitos de terceiras partes. No entanto, somente o Canadá e a Federação Russa votaram contra a conclusão do documento pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU. Lógico, os EUA ficam sempre indefinidos, esperando a consumação do grande equívoco da nossa diplomacia.

Foram necessários 20 anos de discussão até a redação final da declaração. A armadilha que vem embutida no documento é evidente, mas para o Itamaraty estamos no melhor dos mundos, como julgava Cândido, personagem genial de Voltaire, envolvido pela lábia do professor Pangloss. Em linguagem clara, a posição do Itamaraty configura crime de lesa-pátria.

Mas o jogo ainda não está perdido. A Declaração das Nações Unidas Sobre os Povos Indígenas, para ganhar validade, terá ainda que ser aprovada pelo plenário da ONU, que volta a se reunir no final deste agosto. A única esperança é que a Rússia ou os Estados Unidos, que têm poder de veto no Conselho de Segurança, coloquem um fim nisso. Mas a pressão a favor da internacionalização da Amazônia será inacreditável.

Várias vezes publicamos aqui "afirmações ardilosas" de personagens dos mais diversos países do G7 (mais a Rússia, hipocrisia total), contestando o direito do Brasil ter o domínio sobre uma parte dessa área. Depois, resolveram mudar de tática, "homenageando" o Brasil e transformando a Amazônia em MONUMENTO DA HUMANIDADE.

Pois agora, com essas fantásticas e inacreditáveis doações de terras imensas para "índios engravatados", que imediatamente repassam tudo para indivíduos ou empresas multinacionais, não demora e esses COMPRADORES serão proprietários na Amazônia. E levarão o Brasil a tribunais internacionais, com a alegação: "ESSAS TERRAS SÃO NOSSAS, COMPRAMOS E PAGAMOS".

PS - Então, acontecerá o que estamos denunciando. Temíamos a invasão pela força armada. Virão invasores, mas com certidão de propriedade. E escoltados pelos maiores advogados dos fabulosos escritórios dos Estados Unidos.

PS 2 - E quando é que os presidenciáveis, todos, usarão o tempo da televisão para defender a Amazônia? Afinal, 51 por cento do território nacional estão sendo DOADOS a pouquíssimos índios, que imediatamente repassam tudo a multinacionais.

foto: aldeia kayapó, agenciabrasil

visita ao inferno

Líder do MST deixa prisão e defende melhores condições para população carcerária

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Pernambuco, Jaime Amorim, defendeu a realização de um movimento nacional para melhoria das condições de vida da população carcerária brasileira. Amorim, que passou oito dias preso no Centro de Triagem de Abreu e Lima, na região metropolitana de Recife, foi libertado por força de habeas corpus concedido pelo ministro Nilson Naves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Amorim fez críticas ao sistema prisional brasileiro depois de prestar depoimento ao juiz Luciano Castro Campos. “Vai caber aos movimentos sociais resolver os problemas dos presídios no país. Os presídios são verdadeiras fábricas de produção de delinqüência”, afirmou o líder do MST, ao deixar a sala de audiência.

O ministro Nilson Naves concedeu o habeas corpus atendendo a pedido impetrado pela organização não-governamental (ONG) Terra de Direitos. Naves considerou o decreto de prisão preventiva ilegal, justificando que faltou fundamentação concreta das hipóteses indicadas pelo juiz da 5ª Vara Criminal do Recife, Joaquim Pereira Lafayete.

Lafayete havia alegado que Jaime Amorim deveria ser detido para não colocar em risco a segurança de cidadãos de bem, já que teria incentivado a depredação do patrimônio público, ao participar, com cerca de 200 agricultores ligados ao MST, de uma manifestação, no dia 5 de novembro do ano passado, em frente ao Consulado dos Estados Unidos em Recife. No depoimento de hoje, ele confirmou ter participado da manifestação em frente ao consulado, em protesto contra a guerra no Iraque.

O líder do MST responde a mais quatro processos, por injúria, desacato a autoridade, invasão de propriedade e incitação ao crime.

agenciabrasil

agosto 27, 2006

o tamanho do estrago

As armas utilizadas e os alvos atingidos pelos bombardeamentos israelenses

por Leuren Moret

Os mapas do Líbano indicam a quantidade de munições utilizadas sobre os alvos, e que partes da infra-estrutura foram destruídas pelos ataques militares israelenses. Estes mapas são de fontes oficiais libanesas.

O original encontra-se em http://www.globalresearch.ca/

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/

um basta!

GENERAIS PROTESTAM

Vinte e um antigos generais e altos responsáveis da segurança nacional dos Estados Unidos conclamaram o presidente George W. Bush a reverter o caminho atual e a negociar com o Irã, o Iraque e a Coréia do Norte. Numa carta datada de 5ª feira, o grupo afirmou que as políticas "linha dura" de Bush haviam minado a segurança nacional dos EUA.

Os generais manifestaram preocupação particular em relação ao "afiar dos sabres" entre Washington e Teerã acerca do programa nuclear iraniano. "Conclamamos a administração a entrar imediatamente em conversações diretas com o governo do Irã sem condições prévias a fim de resolver a atual crise no Médio Oriente e resolver as diferenças acerca do programa nuclear iraniano", diz a carta.

E acrescenta: "Um ataque ao Irã teria conseqüências desastrosas para a segurança na região e as forças americanas no Iraque. Isto inflamaria o ódio e a violência no Médio Oriente e entre os muçulmanos por todo o mundo".

Quanto à recusa de Bush a negociar com aqueles que classifica de terroristas, o general Robert Guard diz: "Isso parece estranho uma vez que Ronald Reagan estava disposto a negociar os soviéticos apesar de os considerar como o 'Império do mal'“.

Os generais acrescentam que a invasão do Iraque pela administração Bush é pelo menos parcialmente responsável pela iniciativa do Irã de desenvolver um programa nuclear. "Quando você anuncia um eixo do mal de três países e invade um deles e a seguir diz que o Irão deveria ver isso como uma lição, parece que isso pode dar-lhes um incentivo para fazer precisamente o que eles não querem fazer: desenvolver um programa nuclear", afirmou Guard.

O mesmo se passa em relação à Coréia do Norte, acrescenta Morton Halperin, ex-diretor do Departamento de Estado. "Os norte coreanos querem conversar conosco diretamente. Sua preocupação é obter garantias de segurança da nossa parte e obter reconhecimento diplomático. Nós não deveríamos ter medo de conversar com os nossos oponentes", afirmou.

http://resistir.info/

A notícia está em www.informationclearinghouse.info

Imagem: Tolomiro

o depois ...

Israel e o Hezbollah libanês chegaram a acordo sobre a troca de prisioneiros, o motivo que esteve na origem do recente conflito entre as duas partes no Sul do Líbano.

A notícia surge este domingo no jornal diário egípcio 'Al-Ahram' que, citando fontes próximas, avança que a troca poderá ocorrer dentro de duas a três semanas.

O Hezbollah deverá enviar para Israel os dois soldados que capturou em 12 de Julho, depois de "receber garantias seguras da Alemanha, o mediador do processo", escreve o jornal, "de que os prisioneiros libaneses detidos serão libertados no dia seguinte". correiodamanha.pt

* * *

O líder do grupo militante xiita Hezbollah, Hassan Nasrallah, disse que não teria ordenado a captura de dois soldados israelenses no dia 12 de julho, se imaginasse que a ação levaria à guerra no Líbano.

"Não achamos que havia sequer 1% de chance de que a captura levaria a uma guerra desta escala e magnitude", disse Nasrallah, em entrevista a uma TV libanesa. Nasrallah disse que "nem eu, o Hezbollah, os detidos em prisões israelenses ou suas famílias teríamos aceitado (a guerra)".

As declarações foram feitas no contexto de grande pressão para que se examine o conflito, que suscitou reações fortes na comunidade internacional.

Neste domingo, um ministro do governo israelense, Isaac Herzog, disse à BBC que o primeiro-ministro Ehud Olmert estava preocupado com as críticas internacionais à campanha militar, mas estava analisando a melhor maneira de respondê-las.

Uma reunião do gabinete israelense terminou neste domingo sem anunciar uma esperada investigação sobre a conduta israelense durante o conflito.

A Organização das Nações Unidas (ONU) expressou diversas vezes que a resposta israelense à ação do Hezbollah foi exagerada.

Estima-se que Israel precisará de US$ 7 bilhões - cerca de R$ 14,5 bilhões - nos próximos dois anos para reequipar seu Exército.

Os Estados Unidos investigam se Israel usou bombas de fragmentação, que são proibidas por convenção internacional. Uma investigação independente poderia levar à queda de Olmert se chegar a conclusões fortes, dizem correspondentes. portal uai

foto: Ajuda chega ao Líbano mais destruído

Uma criança acompanha os descarregamentos da ajuda humanitária na aldeia de Marun al-Ras. As organizações começam a distribuir bens à população das povoações do Sul do Líbano mais destruídas pelos 34 dias de guerra entre Hezbollah e Israel. Foto: Sergey Ponomarev/AP publico.clix.pt

quotas

Contra a discriminação positiva

Estudantes de medicina manifestam-se contra a proposta de criação de quotas para as castas mais baixas da Índia. O Parlamento do país pronuncia-se hoje sobre a medida do Governo, que provocou greves e protestos que paralisaram vários hospitais e universidades. Foto: Bikas Das/AP

agosto 26, 2006

In paribus causis, paria iura. *

MP tenta derrubar no TSE candidatura de Laura Carneiro

A depender do procurador eleitoral do Rio, Rogério Nascimento, a deputada federal Laura Carneiro (PFL-RJ) não disputará a reeleição este ano. O representante do Ministério Público recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral, na manhã deste sábado (26/8), contra o registro deferido pela justiça do Rio de Janeiro.

Laura Carneiro (PFL-RJ) é acusada de envolvimento com a Máfia das Ambulâncias e é alvo de investigações sobre possíveis fraudes contra a Previdência Social, no final dos anos 90.

O procurador alega que "o acórdão diverge da jurisprudência do TSE e do TRE/SP ao dispensar de prova de objeto da folha criminal e viola o artigo 1º da LC 64/90 interpretado conforme o art. 14, §§ 9º e 10º da Constituição da República, ao admitir registro mesmo diante de prova inequívoca de vida pregressa incompatível com o mandato pleiteado".

O TRE-RJ entendeu que são fracas as provas contra a deputada levantadas pela CPI dos Sanguessugas e que não poderia rejeitar sua candidatura com base nas antigas acusações da participação nas fraudes contra a Previdência já que desde 2001 o Supremo Tribunal investiga o fato através de um inquérito sem ter ainda formalizado uma denúncia.

O procurador rebate os dois pontos. Com relação à máfia das ambulâncias, alega existirem fatos mostrando o envolvimento de dois assessores da deputada tendo, inclusive, se confirmado com a quebra de sigilo bancário, o depósito de R$ 15 mil feito na conta da assessora Jane Cleide Herculano de Siqueira. Nascimento mostra ainda que também no caso das fraudes contra o INSS o envolvimento da parlamentar se deu através do irmão, Jorge Miguel Bustamante, e de assessores, para então concluir: "é notório o envolvimento da requerente, que revelando um estilo próprio e cuidadoso de agir, continua se valendo de assessores e pessoas que lhe são muito próximas, no recente episódio da máfia das ambulâncias".

Ele explica ainda que as acusações de a deputada "integrar quadrilha que lesou o INSS no começo da década em R$ 222.677,51" foram feitas por um ex-gerente de posto do INSS, Luiz Cláudio Giorno Gomes, depois reforçadas pelo ex-marido dela, Luiz Etério Teixeira Ventura, e confirmadas pelos documentos apreendidos na casa de Bustamante, em 2001, que somente foram analisados no primeiro semestre de 2006, por força de um habeas corpus que tinha determinado que o material ficasse trancado no aguardo de uma decisão do STF.

Os recursos judiciais usados pela defesa explicariam, segundo o procurador eleitoral, a ausência de uma manifestação judicial sobre as acusações. Ele argumenta: "a requerente só não está denunciada criminalmente por estes fatos porque vem manejando com muita competência os instrumentos de defesa processual. Meios e procedimentos que atrasam o exame, pela Justiça, do mérito da questão. Cometeu ou não cometeu crimes? Merece ou não pena? A Justiça ainda não teve oportunidade de dizer".

ultimosegundo.ig íntegra

* [Jur] Em causas iguais, julgamentos iguais.

o Brasil, de fato!

Assassinato de dois trabalhadores e prisão de dirigente do MST ilustram a crimalização da luta pela reforma agrária

Um dia após o assassinato de duas lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Jaime Amorim, coordenador nacional do MST, foi preso pela Polícia Militar quando voltava do velório de uma das vítimas, no município de Itaquitinga (PE), a 82 quilômetros do Recife. Amorim é acusado pelo Ministério Público Estadual (MPE) de "mau comportamento" em um protesto de repúdio à visita do presidente estadunidense George W. Bush ao Brasil, dia 5 de novembro de 2005.

O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Joaquim Pereira Lafayette Neto dia 4 de julho, com a alegação de que Amorim não tinha residência fixa e sua liberdade representava uma ameaça à ordem pública e à aplicação da lei penal. Porém, o que aconteceu foi que o MPE não informou o endereço de Amorim no processo. Assim, o juiz determinou que ele fosse citado por edital para comparecer à primeira audiência. Segundo os advogados que acompanham o caso, a citação foi feita de forma indevida. Amorim não tomou conhecimento da audiência, portanto não compareceu. "É estranho o processo ter corrido à revelia do réu. Jaime é uma pessoa pública, não precisava ser citado por edital. Ele tem endereço fixo (mora há anos com a família, em Caruaru). Assim como conseguiram localizá-lo para prender, o localizariam para citar, se fosse de interesse", denuncia Marcelo Santa Cruz, do Movimento Nacional de Direitos Humanos.

No dia 22, o desembargador relator do caso, Gustavo Augusto Lima, negou o pedido de habeas corpus e solicitou mais informações. Até o fechamento desta edição, Amorim permanecia detido. (Mariana Martins in ‘Criminalização e violência em Pernambuco’)

* * *

O fato descontextualizado criminaliza a luta pela terra

"Líder do MST é preso". Escrita em letras garrafais, essa foi a principal notícia do Jornal do Commercio do dia 22. Também na capa, o jornal O Estado de S. Paulo disparou: "Líder do MST é preso por 'incitação ao crime'". As bandeiras e reivindicações do movimento social são tiradas do contexto e o que fica é apenas a contravenção, o crime. Ao não investigar as causas da violência, a grande imprensa termina por incitá-la.

Para Dom Tomás Balduíno, presidente de honra da Comissão Pastoral da Terra (CPT), a violência contra os trabalhadores sem-terra é conseqüência de um longo processo de transformação do movimento social em caso de polícia: "Isso atinge diretamente o pessoal mais organizado e, de forma seletiva, suas lideranças".

A Justiça também tem sua parcela de culpa. Balduíno acredita que a criminalização do movimento social contamina o Poder Judiciário, sempre conivente com o poder econômico ligado ao latifúndio. "Temos visto a impunidade dos verdadeiros criminosos, os mandantes e autores dos assassinatos, ao passo que a mínima suspeita contra algum sem-terra resulta nisso que estamos vendo", lamenta Dom Tomás.

Por trás desses conflitos, está a alta concentração fundiária do Brasil. Para Dom Tomás, a reforma agrária criaria uma nova estrutura no campo, incorporando o povo da terra na condição de cidadãos plenos. "Infelizmente, dentro do governo (Luiz Inácio) Lula (da Silva) sentimos ter perdido a batalha para o agronegócio", constata. Para ele, o país está retrocedendo aos tempos de colônia e se tornando uma província exportadora de produtos da monocultura. "No grão, mandamos para fora nosso humus, nossa água, nossa soberania e nossa dignidade. É a entrega do nosso patrimônio a título de garantir superávit, lucro concentrado nas mãos de poucos. Enquanto isso o povo empobrece, o pessoal vai morrendo no corte da cana, de cãibras, de trabalho forçado, competindo com máquinas cada vez mais fortes", descreve o religioso.

O geógrafo Ariovaldo Umbelino, professor aposentado da Universidade São Paulo, explica que a reforma agrária não avança por determinação política do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Prova disso está no cadastro de propriedades rurais do Incra, onde Umbelino identificou 120 milhões de hectares de terra em grandes imóveis improdutivos. Numa área como essa, seria possível assentar cerca de três milhões de famílias. (Luís Brasilino) brasildefato

psiu:

... horário eleitoral Os candidatos falam de tudo...menos do caixa 2. Como estão as contas de cada candidato? Como são feitos os pagamentos? O dinheiro vem da onde? Até quando a imprensa especializada em cpis, mensalões, retidão e moral vai ficar na arquibancada vendo a banda passar? Nelson R.Perez

política: um bom negócio

Bem distantes da realidade da maioria absoluta do povo brasileiro, os deputados federais mineiros que são candidatos à reeleição possuem um patrimônio declarado à Justiça Eleitoral que, somado, chega a R$ 72 milhões.

Os números equivalem a totalidade dos bens dos 49 parlamentares do Estado, incluindo dois suplentes, que tentam manter as vagas na Câmara nas próximas eleições. Os dados estão contidos no relatório “Excelências”, produzido neste ano pela organização não governamental (ONG) Transparência Brasil.

A comparação do relatório com números repassados ao Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) nas eleições de 2002 mostra que alguns deputados mais do que duplicaram o patrimônio.

A maioria registrou aumento no valor de seus bens, mas também houve quem tenha ficado mais pobre nos quatro anos como deputado federal. O impacto do crescimento de patrimônio foi mais perceptível no caso de deputados que possuíam menor declaração de bens em 2002.

Por outro lado, parlamentares que já possuíam um patrimônio considerável também registraram crescimento na totalidade de seus bens. ...

O patrimônio do deputado Jaime Martins (PL) mais que dobrou nos últimos quatro anos.

“Sou empresário e vivemos um período de lucro. Mesmo com todos os impostos e pagando tudo em dia tivemos um período relativamente bom. Sou empresário no setor de ferro-gusa, que teve um período relativamente bom no início do governo Lula. E chegou ao final nesse período também o espólio pelo falecimento do meu pai. E eu herdei alguma coisa”, explica o parlamentar, ressaltando que a atividade política é deficitária.

“Principalmente por causa das despesas indiretas. Eu faço é por ideologia mesmo, mas os lucros que eu tenho são com a atividade empresarial”, garante.

RICARDO CORRÊA in ‘Candidatos à reeleição têm R$ 72 milhões’ jornal o tempo

* * *

Em reunião extraordinária, nesta sexta-feira, a comissão regional do Partido Trabalhista do Brasil (PT do B), decidiu, por unanimidade expulsar o candidato ao governo de Minas, Luís Henrique Oliveira Resende, da legenda.

De acordo com a ata da reunião, os correligionários do candidato se surpreenderam com a reportagem publicada, nesta sexta-feira, pelo jornal Estado de Minas. No texto, a afirmação de Luís Tibé de que, juntamente com o candidato ao senado, Ricardo Vieira da Conceição, estaria disposto a vender o horário eleitoral gratuito no rádio e televisão ao candidato à presidência da república, Geraldo Alckmin (PSDB), causou indignação nos integrantes do partido.

Segundo a comissão executiva, tanto a falta de ética quanto a imoralidade da proposta causam repulsa.

Luís Henrique afirmou que a expulsão do partido não terá impacto na sua candidatura ao governo do estado. “Eu não concorro pelo PT do B, mas pela coligação”, afirmou.

Entretanto, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), que já recebeu o cancelamento de filiação dos candidatos, informou que a expulsão é decisão unicamente do partido, ficando, portanto, o candidato sem legenda.

O partido tem até dois dias antes do pleito para apresentar novos candidatos. O horário eleitoral gratuito no rádio e televisão deverá ser reestruturado devido aos fatos desta sexta-feira.

Portal Uai (PTdoB expulsa candidato ao governo de Minas)

"concertación"

Uma onda moralizadora varre os TREs. Às centenas, candidaturas a deputado e senador são impugnadas. É bem verdade que a maior parte delas acontece pela simples falta dos documentos exigidos para inscrição. Mas essa é uma outra história. Quero falar é do tsunami moralizador que percorre o Brasil e por ser tão forte alcançou até as Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Quem diria: a partir deste ano, preparação para quando o carnaval de 2007 chegar, vai ser obrigatório que os técnicos que trabalham no arremate dos desfiles tenham suas vidas regularizadas junto a Delegacia Regional do Trabalho para que só assim a Escola entre na área de concentração legalizada.

Os batidores do mundo do samba e da política nacional sofrem faz anos do mesmo mal. Hoje, por debaixo do pano, longe dos olhos da Receita Federal, grandes empresas investem e patrocinam Escolas de Samba e Campanhas Eleitorais para TV e rádio. Nas duas atividades, seja a dos barracões do samba, seja a das agências e produtoras de programas eleitorais o compasso do caixa 2 (a la Marcos Valério) é quem dita o ritmo. O swing do dinheiro por baixo do pano que contagia muita gente impoluta me parece estar com os dias contados. Mas nessa onde de moralização será preciso uma boa lupa para que não se confunda o joio com o trigo na hora das responsabilidades. Na Escola de Samba está claro que quem manda é o presidente, na campanha eleitoral: o candidato e o partido. Nenhum dos dois, quando o tsunami da retidão começar a molhar os pés pode alegar diante do fisco que não sabia de nada. A Receita Federal, como é público, não terceiriza.

Nelson Perez in ‘Dançando conforme a música’

'cabra da peste'

Inacreditável mas rigorosamente verdadeiro: o desembargador José Maria Melo, do Tribunal de Justiça do Ceará, ia completar 70 anos e ser atingido pela "expulsória", como acontece com todos. Mas 1 dia antes de completar esses 70 anos, foi APOSENTADO POR INVALIDEZ. Com isso, deixa de pagar mais de 6 mil reais do Imposto de Renda, passa a receber o salário integral. A aposentadoria foi referendada, logicamente, pelo próprio tribunal.

Agora, o mesmo desembargador "INVÁLIDO" é um fogoso candidato a governador do Estado. Não tem a menor chance, a disputa está indefinida entre Lucio Alcantara (reeeleição) e Cid Gomes, irmão do presidenciável Ciro.

O Conselho de Justiça, criado para isso, deve examinar o caso. Como é que um desembargador INVÁLIDO pode ser candidato VÁLIDO?

Helio Fernandes

ocupando o vazio...

Imóveis do INSS dão lugar a moradias populares

Agência Brasil (25/08/06)

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) iniciou hoje (25) o repasse de imóveis desocupados de sua propriedade para construção de habitações destinadas a famílias de baixa renda em cinco capitais do país. A ação faz parte da Resolução n° 21, que autoriza a Caixa Econômica Federal a receber propostas de execução de reforma e construção para transformar esses imóveis em habitações populares.

Cerca de 600 famílias de São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Vitória serão beneficiadas pelo repasse de sete imóveis para o Programa de Arrendamento Residencial (PAR).

informante.net

agosto 25, 2006

plutinho

Decisão sobre Plutão cria racha entre astrônomos

A decisão da União Astronômica Internacional (IAU, na sigla em inglês) de retirar o status de planeta de Plutão causou descontentamento entre alguns cientistas. O principal cientista da missão robótica da Nasa (agência espacial americana) a Plutão, New Horizons, criticou a decisão, adotada na quinta-feira, qualificando-a de “constrangedora”.

... Um dos três critérios para o status de planeta é que ele precisa ter “limpado as áreas vizinhas em sua órbita”. Os maiores objetos no Sistema Solar vão agregar a matéria em seu caminho ou expeli-las. Plutão foi desqualificado porque sua órbita altamente elíptica se sobrepõe à de Netuno – ou seja nem agregou nem expeliu o outro planeta.

... Outros astrônomos estão felizes em ver Plutão retirado da lista de planetas. Iwan Williams, presidente de ciência de sistemas planetários da IAU, disse: “Plutão tem muitos e muitos amigos; nós não temos muito entusiasmo em ver Plutão e todos os seus amigos no clube porque fica lotado. No final da década, nós teríamos cem planetas, e eu acho que as pessoas diriam ‘meu Deus, que confusão eles fizeram em 2006’”.

portal uai (não confundir com IAU)

Líbano: e agora?

A guerra do Líbano, a que o periclitante cessar-fogo não pôs fim, suscita debates apaixonados. Por ter resistido ao exército israelita, o Hezbollah tornou-se motivo de orgulho para os povos árabes. No Estado hebraico, reina a surpresa por ainda não se ter vencido a guerra e há quem peça contas aos responsáveis por esta cruel desilusão. Os grandes perdedores são os libaneses que temem pelo futuro do seu país.

courrierinternacional.pdf

cheirou mal...

Esposa de FHC surpreende com crítica ao governo do marido

Último Segundo/IG (24/08/06)

Ao ler os jornais com lupa, a assessoria de imprensa da campanha de Lula descobriu uma pequena jóia: Fernando Henrique Cardoso, como diz o título de um filme, está "dormindo com a inimiga". A ex-primeira-dama Ruth Cardoso reconhece que nos oito anos de mandato o marido não ampliou a participação das mulheres no governo. Quem revelou essa confidência, em entrevista de página dupla ao jornal "O Estado de S.Paulo", foi a cientista política Lourdes Sola.

"No governo do Fernando Henrique a representação feminina foi uma merda".

Cá entre nós: eu disse isso para a Ruth e ela concorda". A assessoria de imprensa de Lula repassou imediatamente a preciosa declaração para a área de marketing da campanha. Ela será utilizada nas comparações que o PT está fazendo entre o governo de FHC e o do líder petista. Aparecer bem perante as mulheres é muito importante para Lula.

informante.net

shema yisrael, a-donoi e-loheinu, a-donoi echad

Israelitas querem inquérito sobre a guerra

Dois terços dos judeus israelitas são a favor da criação de uma comissão de inquérito do Estado para analisar a forma como foi conduzida a guerra contra o grupo xiita libanês do Hezbollah, de acordo com sondagens cujos resultados foram publicados na quarta-feira (23/08) .

Os estudos publicados pelos jornais ‘Maariv’ e ‘Yediot Aharonot’ indicam que entre 67% e 69% dos inquiridos defenderam a criação de uma comissão de inquérito, contra apenas 28%, que revelaram ser contra a medida.

* * *

Maioria dos israelitas quer demissão do Primeiro Ministro

A maioria dos israelitas quer a demissão do primeiro-ministro Ehud Olmert, criticando o governante pelo seu comportamento durante a guerra no Líbano, de acordo com os resultados de uma sondagem publicada esta sexta-feira pelo jornal ‘Yedioth Aronoth’.

O estudo de opinião revela que 63 por cento dos inquiridos desejam que Olmert, líder do Partido Kadima criado por Arel Sharon, apresente a demissão, com 45 por cento favoráveis a um governo liderado por Benjamin Netanyahu, do partido de extrema-direita Likud.

Esta foi a primeira sondagem que apontou para uma maioria clara de descontentes com o desempenho do primeiro-ministro israelita. Um estudo de opinião semelhante publicado a semana passada registou 41 por cento de opositores à política de Olmert.

correiomanha.pt

"Eles são apenas indiciados"

STF deverá autorizar candidaturas de sanguessugas

O Supremo Tribunal Federal (STF) deverá autorizar a candidatura dos parlamentares acusados de envolvimento com a máfia das ambulâncias superfaturadas e que tiveram seu registro negado pelos tribunais regionais eleitorais. Essa é a opinião da maioria dos ex-ministros e de especialistas no assunto, que citam a jurisprudência e a legislação para fundamentar esse ponto de vista.

... Segundo análise do ex-presidente do TSE Carlos Velloso, entrevistado pelo jornal O Estado de S.Paulo, as decisões de TREs de afastar parlamentares sob investigação não têm amparo legal atualmente, pois esses congressistas ainda não foram julgados e, eventualmente, condenados.

"Desejamos afastar da vida pública os homens que a denigrem. Mas, infelizmente, não temos legislação que autorize isso. Eles são apenas indiciados", afirmou. A jurisprudência do TSE e do STF reconhece que só é inelegível aquele que for condenado definitivamente pela Justiça, sem possibilidade de recurso. A Constituição, por meio da regra da presunção de inocência, veda punição contra pessoas investigadas que ainda não foram alvo de condenação.

Ontem, Marco Aurélio de Mello falou em "evolução" e admitiu a possibilidade de rever a jurisprudência. Porém a palavra final, por se tratar de parlamentares, caberá justamente ao Supremo.

No que se refere a candidatos sem direito a foro privilegiado e cujas contas foram condenadas em administrações anteriores no Poder Executivo, o TSE abriu nesta quinta-feira um precedente jurídico para negar candidaturas.

Os ministros do TSE rejeitaram recurso de Elizeu Alves, ex-prefeito de São Luiz do Anauá, em Roraima. Ele teve sua candidatura a deputado estadual pelo PL negada, por suas contas terem sido rejeitadas pelo Tribunal de Contas Estadual.

Até este julgamento, bastava aos condenados entrarem com uma ação na justiça comum para continuarem concorrendo. Segundo entendimento dos ministros do TSE, agora será preciso que os condenados consigam, no mínimo uma liminar de um juiz devolvendo a condição de elegível. "Agora, para aquele que teve as contas desaprovadas realmente se mostre candidato, é indispensável que obtenha na Justiça Comum uma medida liminar", afirmou o presidente do TSE, Marco Aurélio Mello.

No dia 3 de julho, o Tribunal de Contas da União entregou ao TSE uma lista com 2,9 mil gestores públicos com as contas rejeitadas, incluindo cinco ex-governadores, nove juízes e 1,5 mil ex-prefeitos.

De acordo com Henrique Neves, advogado especializado em direito eleitoral, os candidatos que forem considerados inelegíveis pelo TSE podem continuar suas campanhas, enquanto recorrem ao Supremo Tribunal Federal (STF). Mas sob conta e risco. "A partir de agora, os casos de candidatos com contas rejeitadas serão examinados, caso a caso, no TSE, o que antes não se permitia", afirma.

Os ministros reinterpretaram uma parte da Lei das Inelegibilidades. Tomaram como base o parágrafo 9º do artigo 14 da Constituição Federal, que determina que a Lei Complementar, em caso de inelegibilidade, deve preservar a moralidade e a probidade administrativa.

abcpolitiko

o baile do TRE

Mais de 1.000 candidatos são barrados nos TREs

Somados os primeiros resultados, de dez tribunais eleitorais do País, passava de mil, até ontem à noite, o total de candidatos impedidos de concorrer às eleições de outubro. Em nove Estados, as fichas rejeitadas pelos TREs chegavam a 785 - às quais se somava um número ainda indefinido no Rio de Janeiro, que sabidamente já era superior a 200. O número ultrapassa os mil se somados os candidatos que desistiram do registro no andamento dos trabalhos. Só no Ceará esse número chegou a 40. Todos eles podem recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

São Paulo lidera a lista dos 785 vetos, com 425 fichas indeferidas. Atrás vem o Rio de Janeiro - o número final deve sair hoje -, seguido do Maranhão, que vetou 123 pedidos. Vêm em seguida Minas Gerais com 122 impugnados, a Bahia com 62, o Ceará com 25 nomes, o Rio Grande do Norte com 24 e o Espírito Santo com 3. No Paraná, que ainda não havia feito seu balanço, o TRE aceitou um pedido do PMDB , que pediu a impugnação do registro do deputado José Borba. Um dos nomes, na Bahia, é o do cantor Juca Chaves.

O corte paulista representa 14,3% dos 2.970 pedidos de registro. Na maioria dos casos, o problema foi a falta de documentos. O tribunal não se apegou à questão da moralidade - como fez o do Rio - para julgar os processos de candidatura, mas adotou uma nova metodologia, com maior rigor na análise da quitação de multas eleitorais, das certidões criminais e da prestação de contas de campanhas anteriores.

No Rio, o TRE não divulgou ainda o total de impugnações porque faltava revisar problemas burocráticos - um desses casos é o do ex-secretário nacional de Segurança Pública Luiz Eduardo Soares (PPS). Entre os que perderam, temporariamente, o direito de concorrer, estão deputados envolvidos com a máfia dos sanguessugas: Paulo Baltazar (PSB), Elaine Costa (PTB), Fernando Gonçalves (PTB) e Reinaldo Gripp (PL). O presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda (PP), teve o pedido indeferido por responder a processos criminais na Justiça. No Espírito Santo, o Ministério Público havia pedido a impugnação de oito registros, mas apenas três foram recusados. Um deles, o deputado federal Nilton Baiano (PP), excluído do grupo de 72 parlamentares da CPI dos Sanguessugas.

tribunadaimprensa

a mais igual ...

O Programa da TVE Brasil de ontem (24/08) teve entre outros temas o seguinte: "TRE indefere mais candidaturas", e contou com a presença de Rogério Nascimento, procurador regional eleitoral do Rio de Janeiro. A questão: por quê "A deputada Laura Carneiro (PFL-RJ), que tenta a reeleição, teve a candidatura confirmada pelo TRE. Embora também esteja entre os citados pela CPI dos Sanguessugas, o relatório da comissão não foi anexado ao processo"?

A resposta do Procurador Regional: ele recorreu da decisão do TRE/RJ pois "há provas contra a candidata "

Ufa, um alívio saber que 'pizzas' não fazem mais parte do cardápio!

agosto 24, 2006

Celebrar Maomé

Mulheres muçulmanas de Caxemira rezam enquanto um imã exibe um relicário com pêlos de barba que os fiéis acreditam terem pertencido ao profeta Maomé. A cerimónia teve lugar no festival de Shab-e-Meraj, em Srinagar, na Índia. Foto: Rafiq Maqbool/AP

publico.clix.pt

o custo brasil

Dívida pública: 50,3% do PIB (em julho)

... de acordo com o BC, a dívida bruta do governo geral (governo federal, INSS, governos estaduais e municipais) caiu em julho ante junho, de 72% do PIB para 70,8% do PIB.

O setor público apresentou, em julho, um superávit primário de R$ 5,615 bilhões. Nessa conta, não são contabilizados os pagamentos de juros.

... No acumulado dos últimos 12 meses, encerrados em julho, o superávit primário foi de R$ 87,529 bilhões, sendo R$ 51,848 bilhões originados no governo central, R$ 19,636 bilhões, nos governo regionais e R$ 16,045 bilhões, das empresas estatais. O resultado acumulado em 12 meses representa 4,33% do PIB. A meta de superávit primário para o setor público é de 4,25% no ano.

Se se considerar as despesas com juros, o setor público consolidado registrou em julho déficit nominal de R$ 7,84 bilhões. O resultado foi decorrente do pagamento de R$ 13,455 bilhões de juros, enquanto o superávit primário foi de R$ 5,615 bilhões.

Em julho de 2005, o déficit nominal foi de R$ 3,340 bilhões, resultado de um pagamento de juros, na ocasião, de R$ 12,136 bilhões e superávit primário de R$ 8,796 bilhões.

Carga tributária: 37,37% do PIB

A carga tributária brasileira – total de impostos e contribuições pagos pela sociedade – subiu de 35,88% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2004 para 37,37% no ano passado. Desse volume, os impostos e contribuições federais representam 26,18% do PIB e a arrecadação administrada pela Receita Federal significa 7,96% – contra os 17,13% de 2004.

EM/superávit

rejeitado

Astrônomos deixam de considerar Plutão um planeta

Astrônomos reunidos em Praga, na República Tcheca, aprovaram nesta quinta-feira um pacote histórico de novas diretrizes segundo as quais Plutão não pode mais ser definido como planeta. Depois de uma turbulenta semana de debates sobre a essência do cosmos, a União Astronômica Internacional tirou de Plutão o status concedido em 1930 quando o corpo celeste foi descoberto.

O congresso realizado ao longo dos últimos dias marcou a primeira vez na história em que os astrônomos chegaram a uma definição sobre o que é - e o que não é - um planeta.

O status de Plutão começou a ser questionado quando os astrônomos encontraram objetos que também cumpriam as exigências previstas para um planeta dentro do Cinturão de Kuiper - conjunto de asteróides na borda do sistema solar dentro do qual está Plutão. ... uai

* * *

Plutão é um dos planetas anões do sistema solar, localizado além da órbita de Neptuno. No entanto, durante um período de 20 anos do seu longo movimento de translação à volta do sol de 248 anos, troca de posição com Neptuno (ou Netuno). O astrônomo norte-americano Percival Lowell foi um de seus investigadores mais dedicados, mas nada descobriu. Doze anos depois de sua morte, seu antigo observatório, o Flagstaff, no Arizona, contratou um astrônomo mais jovem para continuar o trabalho. Plutão foi descoberto em Fevereiro de 1930 pelo jovem Clyde Tombaugh, que na época tinha 24 anos e conseguiu fotografá-lo. Possui um satélite chamado Caronte e há indicações de outros dois denominados P1 e P2, que foram descobertos em maio pelo telescópio espacial Hubble. Esses dois novos satélites naturais receberam os nomes mitológicos de Nix (satélite) e Hydra (satélite), pela União Astronómica Internacional. Um dos motivos da escolha desses nomes foram as iniciais N e H que coincidem com a nave espacial Novos Horizontes, que detectou esses novos satélites.

Até 2006, Plutão era considerado um planeta principal, mas a descoberta de vários corpos celestes de tamanho comparável e até mesmo a de um outro corpo celeste maior que Plutão abriu uma conferência da União Astronômica Internacional, que decidiu por considerá-lo como um "planeta-anão", juntamente com 2003 UB313 e Ceres, localizado no cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter. wikipédia

na Mesa

Em resposta à manobra regimental feita pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para atrasar os processos de cassação contra três senadores acusados de envolvimento com a máfia das ambulâncias, o Conselho de Ética aprovou ontem, por unanimidade, o retorno imediato das denúncias contra os parlamentares à Mesa Diretora da Casa.

Com essa estratégia, Renan Calheiros foi obrigado a reunir a Mesa, que vai decidir hoje se transforma a denúncia em representação contra os senadores Ney Suassuna (PMDB-PB), Magno Malta (PL-ES) e Serys Slhessarenko (PT-MT). Com a abertura de processo, os três poderão ter seus mandatos cassados por falta de decoro parlamentar.

O contragolpe do Conselho de Ética para evitar o atraso na tramitação dos processo de cassação foi pautado no parecer dado pelo senador Demóstenes Torres (PFL-GO), que é vice-presidente do Conselho e relator do caso da senadora Serys.

... Com a decisão do Conselho, a Mesa terá de decidir rapidamente se abre ou não processo contra os parlamentares.

Conselho acaba com cheiro de pizza in tribunadaimprensa

"Com bico e orelhas grandes" ...

... ou com o dedo na ferida

"Eu escrevi numa das notas abaixo que, caso algum tucano tivesse hackeado o site do PT, teria orelhas grandes, e não só o bico. Huuummm... Mas acho que existe esse bicho de bico e orelhas grandes, sim. Uma estranha derivação teratológica. Leiam o que disse o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), um dos grandes responsáveis, entendo eu, pelo início da virada de Lula: “A conjuntura é realmente desfavorável. Não dá para tapar o sol com a peneira. O problema é que, com a economia indo bem, muitos dos erros do governo e do presidente são relevados.”

Ah, mas, então, chegamos ao cerne da questão, não é? A ala do tucanato que fez Alckmin ser o candidato — Azeredo nem contou nisso, mas pensa alto o que se passou — não sabia como contestar Lula na economia. Por não saber, é incapaz de fazer uma campanha de confronto e de dizer, afinal de contas, por que poderia fazer um governo melhor. Se tudo vai bem, mudar por quê? Restaria só a terra devastada da ética. Mas não querem mexer nem nisso. Resta a Alckmin prometer que vai ser um Lula melhor do que Lula".

Reinaldo Azevedo

bis

A aprovação recorde do governo, detectada na última pesquisa Datafolha, é um sinal importante sobre o humor dos brasileiros nesses tempos pré-eleitorais. O instituto aferiu que a soma de avaliações “ótimo” e “bom” dos entrevistados sobre o governo federal superou 52%. Foi a maior aprovação não apenas da gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas de todos os presidentes da República desde Fernando Collor de Mello, quando o instituto Datafolha começou a fazer os seus levantamentos.

Um recorde deste quilate será comemorado aos quatro ventos pelo governo, ainda mais em véspera de eleição, mas o que cabe aos analistas é tentar entender as motivações dos entrevistados. E a aprovação recorde é realmente algo difícil de explicar, pois poucos governos foram tão atacados como o de Lula

... Também é interessante notar que embora a economia brasileira esteja em situação bem melhor do que há quatro anos, não houve, no período compreendido pela gestão Lula, uma taxa de crescimento econômico notável ou aceleração da atividade acima do que se verificou em períodos anteriores. Ao contrário, os críticos da gestão petista gostam de dizer que o Brasil “perdeu oportunidades” e poderia ter crescido mais. Críticas à parte, a verdade é que não houve um “milagre econômico” para alavancar a avaliação do governo federal.

Qual seria, então, a mágica deste governo para obter uma avaliação recorde em meio a tantas críticas, sem contar com nenhuma grande obra para apresentar, e ainda por cima aplicando uma política econômica ortodoxa, bem diferente daquela prometida pelo presidente no passado?

O carisma de Lula e a identificação do povo brasileiro com a saga deste homem que saiu do interior do Nordeste, veio a São Paulo, venceu como líder sindical, apostou no sonho de se tornar presidente até a sua persistência ser recompensada explicam apenas parcialmente o fenômeno da alta popularidade do governo.

É preciso ajuda de uma pesquisa qualitativa para descobrir os demais fatores, mas uma hipótese a se testar é a de que os brasileiros se desencantaram com a política, com os políticos e suas promessas vãs. Estão mais pragmáticos e percebem que não existe muitas alternativas ao jeito que Lula escolheu para tocar o governo. Assim, na hora de avaliar a gestão e levando em conta os velhos problemas de um País pobre e cheio de contradições, os brasileiros reconhecem o esforço do presidente.

Por fim, a todos esses fatores – carisma, crescimento possível e identificação popular com o presidente – é preciso somar um outro, também importante: a tragédia que foram os 8 anos de governo tucano-pefelista. É comparando que as pessoas fazem as suas avaliações e ao colocar lado a lado os governos de Lula e Fernando Henrique, os números são de tal forma favoráveis ao petista que a população acaba sendo até um pouco condescendente com a atual gestão. Não deixa de ser irônico: a ruindade dos tucanos está sendo a grande salvação dos petistas.

Luiz Antonio Magalhães in Afinal, de quem é o recorde?

imagem adaptada ©

classificados

TRADUTOR DO ÁRABE, PROCURA-SE

Resistir.info gostaria de ter um colaborador benévolo a fim de traduzir textos da língua árabe para o português. Os amigos que tiverem condições e disponibilidade é favor que entrem em contacto. resistir@resistir.info

investigación molesta

La justicia argentina descarta la pista islámica

Washington pretende rescribir la historia de los atentados de Buenos Aires

Thierry Meyssan*

En el marco de sus intentos por dar peso a sus acusaciones contra los musulmanes chiítas, Estados Unidos pretende explotar el recuerdo de los atentados cometidos en 1992 y 1994 en la ciudad de Buenos Aires. En efecto, la mayoría de las enciclopedias siguen atribuyendo esos crímenes al Hezbollah o a Irán. A pesar de ello, nadie cree ya en esas acusaciones y la propia justicia argentina se orienta hoy hacia una pista israelí. Como consecuencia, Washington hace presión para que se ponga fin a una investigación que se está haciendo molesta.

Con el fin de dar peso a sus acusaciones contra el «la media luna chiíta» (Irán, Siria, Hezbollah libanés), Washington ha decido incluir en ellas los atentados cometidos en Buenos Aires a principios de los años 90. En los países atlantistas se da generalmente por sentado que aquellos atentados fueron obra de terroristas musulmanes.

Esa versión de los hechos fue sin embargo desmentida desde entonces por la Corte Suprema argentina que se orientó, por el contrario, hacia una pista israelí. Los neoconservadores han reaccionado con el montaje de toda una operación para invertir las cosas. Luego de una reunión que tuvo lugar en Washington, en mayo de 2006, con la participación de dos altos magistrados de Buenos Aires, el gobierno y la justicia han sido objeto de fuertes presiones. En respuesta, un grupo de ciudadanos argentinos dirigido por el doctor Oscar Abdura Bini acaba de presentar ante un Tribunal de Gran Instancia de Buenos Aires una querella por obstrucción a la justicia contra el American Jewish Committee y los fiscales Nissman y Martínez Burgos.

Thierry Meyssan, Periodista y escritor. Presidente de la Red Voltaire. Autor de La gran impostura y del Pentagate

fatos & boatos

Manipulación de la opinión pública

Londres: terrorismo ficticio, guerra real

Jürgen Elsässer*

Fuertemente dramatizado por el ministro británico del Interior, el anuncio del 10 de agosto de 2006 sobre el descubrimiento de un complot terrorista en Londres suscitó pánico y, posteriormente, perplejidad. El periodista alemán Jurguen Elsasser analiza este caso de histeria colectiva y el papel del espionaje israelí en esa manipulación de la opinión pública montada en medio de los bombardeos israelíes contra el Líbano.

«La estrategia de la masacre» nos grita la portada de la revista Der Spiegel, en venta en toda Alemania desde el lunes pasado [«Strategie Massenmord», Der Spiegel, 14 de agosto de 2006]. Pero no se trata de los bombardeos masivos e indiscriminados de la aviación israelí contra el Líbano. Tampoco de los muertos tremendamente reales que esa locura ha costado ya –alrededor de 1 300, de los cuales la tercera está constituida por niños. No se equivoquen. El semanario informativo publicado en Hamburgo se refiere a las posibles víctimas de un posible atentado que posiblemente cometerían posibles kamikazes islamistas –«una masacre de proporciones gigantescas». Los astrólogos especializados en movimientos islámicos incluso mencionan las fechas previstas para esa masacre: el quinto aniversario del 11 de septiembre de 2001 o el 22 de agosto, o sea el martes próximo. … La información que sugiere ese artículo es clara: la agresión sanguinaria y violatoria del derecho internacional que Israel emprendió contra su vecino permitió impedir un terrible baño de sangre en Europa. Conclusión: las guerras que emprenden Estados Unidos y sus aliados en la región comprendida entre el Canal de Suez y el Golfo Pérsico también benefician a Europa.

El diario crea un clima para sus lectores: «Crisis, conflictos y guerras por todos lados: Afganistán. Irak y ahora el Líbano. ¿Estamos ante el preludio de una guerra mundial entre el mundo libre y el Islam fanático?». Después se puede leer: «La principal fuente de financiamiento del terrorismo es Irán. ¿Debe tomar Occidente medidas más severas contra Teherán?»

Cuando uno se plantea la pregunta de esa forma es porque ya tiene la respuesta.

Journaliste allemand. Dernier ouvrage publié Comment le Djihad est arrivé en Europe, préface de Jean-Pierre Chevènement. Xenia, 2005.

voltairenet.org

mais mortes...

Seis civis afegãos morrem num bombardeio por engano dos EUA

Pelo menos seis civis afegãos morreram por causa de um erro da coalizão militar dirigida pelos Estados Unidos, que bombardeou a localidade de Kunar, no leste do Afeganistão, disseram hoje fontes oficiais afegãs, enquanto o comando americano garante ter matado sete supostos membros da Al Qaeda e uma criança.

O subchefe do distrito de Shegal, na província de Kunar, disse hoje à Efe que o bombardeio, ocorrido ontem à noite, foi motivado por uma "informação errada da inteligência" de que o local abrigava supostos rebeldes. Na realidade, explicou, a casa reunia um grupo de anciãos que tentava resolver uma disputa entre duas famílias.

A informação foi confirmada pelo chefe do distrito. Ele garantiu que outras seis pessoas estão desaparecidas.

Tom Collins, porta-voz do comando militar dos EUA, disse à Efe que não sabe da morte de civis.

O comando militar da coalizão disse num comunicado que, numa operação desenvolvida na província de Kunar, foram abatidos sete supostos terroristas da Al Qaeda e também uma criança, atingida pelos foguetes.

Segundo a nota, forças da coalizão e tropas afegãs foram atacadas quando se aproximavam de "um complexo que abrigava supostos terroristas" em Kunar, perto do povoado de Asmar, "e se defenderam atirando".

Como resultado, sempre segundo a versão americana, morreram sete supostos simpatizantes da rede terrorista Al Qaeda e uma criança de 10 a 12 anos. Uma mulher ficou ferida e quatro supostos rebeldes foram detidos.

Segundo fontes policiais e provinciais afegãs, a operação foi completamente diferente. Todos os mortos são civis, garantiram.

Por enquanto apareceram sete corpos de civis no distrito de Shegal. Outras seis pessoas, entre elas uma mulher, estão desaparecidas e são procuradas pela Polícia.

O Ministério do Interior não ofereceu informação oficial até agora. ultimosegundo.ig