dezembro 30, 2014

espera

Terça-feira com cara de Sábado, antevéspera da passagem de ano (um fake com o horário de verão); chuvinha me poupou de regar plantas e cardápio de solteira: café da manhã com tapioca e queijo minas curado (por mim, não estava doente, mas fresco); almoço com fritada de muita cebola e calabresa no pão francês (requentado); lanche: mais tapioca com o que sobrou da fritada + Brahma extra; biscoitinho de natas e plantão na beira do fogão de lenha preparando doce-de-leite. e tem doce de jaca na geladeira ... passa já ano velho!
 

dezembro 28, 2014

leitura do fim de ano:

Nureyev, uma biografia. Peter Watson



 *** Amando demais este rebelde ***



 
 


ser gordo é tudo de bom

nesta minha longa vida observo que os homens preferem as gordinhas - ossos e músculos servem apenas pra sopas ...




imagens do Google

trilha sonora pro Ano Novo



Fogo Sobre Terra
Vinicius de Moraes


A gente às vezes tem vontade de ser
Um rio cheio pra poder transbordar
Uma explosão capaz de tudo romper
Um vendaval capaz de tudo arrasar

Mas outras vezes tem vontade de ter
Um canto escuro onde poder se ocultar
Um labirinto onde poder se perder
E onde poder fazer o tempo parar

Oh, dor de saber que na vida
É melhor de saída
Ser um bom perdedor
Amor, minha fonte perdida
Vem curar a ferida
De mais um sonhador

que drama!

Inflação na Rússia faz preço da vodca disparar, e Putin pede intervenção

BBC Brasil




 por aqui o preço da pinga também está nas alturas e não se ouve falar em intervenção do governo ...

menu de domingo

cardápio de hoje (só pra mim): estrogonofre (requentado), chardonnay chileno 2012 (abri nova garrafa - não é resto) e arroz mulato (quase deixei queimar o alho) ... eu mereço!

ano novo


saudade da minha Caixa Preta

vou publicar aqui o que posto no Face
tava com saudade

dezembro 07, 2014

beijo roubado

guardo ainda o sabor
de um doce beijo roubado
se foi um beijo de amor
o ladrão tá perdoado
meu amor de carnaval
teve o tempo da folia
arrastou no vendaval
a tristeza que eu sentia
volte amor venha brincar
vem ser de novo o ladrão
e se outro beijo roubar
leve junto o coração.


setembro 24, 2014

por aí ..


o sapo não sapateia porque não tem sapato
o pato não papeia pois seu papo é chato
chato é um carrapato agarrado ao saco
um saco é encarar fila pra qualquer negócio
ócio é ficar horas esperando a vez
às vezes dá vontade de sumir do mapa
ter capa e espada e ser um grande herói
e como dói bastante levar pisão no pé.

descalço vou pulando igualzinho ao sapo
desviando, com a espada, todo papo chato
que enche o saco
e vou furando a fila
ocioso, sumido no mapa,
pisando em ovos ...





setembro 04, 2014

DECLARAÇÃO DE VOTO


Embora o voto seja secreto, eu prefiro fazer a minha declaração de voto, talvez possa ajudar a formar opinião de indecisos;
Sou eleitora no Rio de Janeiro e está feia a coisa nesta eleição majoritária.
Para Presidente, já decidi:
1 - eu não acredito nos partidos políticos do Brasil, são um balaio de gatos e não me representam e, como a maioria dos brasileiros, eu voto em pessoas;
2 – eu não acredito em Marina Silva; não confio no Garoto de Ipanema Aécio Neves e nem morro de amores por Dilma Rousseff, MAS, PORÉM, TODAVIA, CONTUDO, ela deu continuidade a uma opção política que ‘aos trancos e barrancos’ tornou o Brasil melhor para todos, ricos, pobres e remediados; DILMA ROUSSEFF terá o meu voto (apesar do PT), pois, não quero correr o risco de voltar ao neoliberalismo que empobreceu o Mundo (e a mim também: virei ‘submergente’ à época).
Para os outros cargos:
Governador - Lindberg Farias (PT) – um voto de confiança
Senador - Romário (PSB) apesar de seu apoio compulsório à Marina
Deputado Federal - Jandira Feghali (PCdoB) – ela tem meu voto eterno
Deputado Estadual - Yvan Damasceno (PCdoB) – um voto de confiança

publicado como Notas no Facebook em 3 de setembro de 2014 às 22:10

agosto 31, 2014

MENSAGEM


Tenho o costume de ler
Muitos textos inspirados
Gosto também de escrever
Sobre temas variados.

Depois de textos deixar
No Recanto arquivados
Vou à Capa procurar
Outros textos publicados.

Creio que todo autor
Espera uma opinião
De um atento leitor
Sobre sua produção.

Não leio todos, confesso,
Sejam tristes ou hilários
Muitas desculpas eu peço
Por não fazer comentários.

Se a todos eu fizesse
Comentários todo o dia
Mesmo que eu quisesse
Outra coisa não faria.

**//**

um pouco de música antiga

POETAS


Somos todos poetas
E não sabemos.
Somos todos artistas
E assim vivemos.

A poesia está na forma do nosso pão de cada dia.
Na decoração de um bolo há um quê de poesia.

Na arquitetura da casa,
Na torre da igreja,
No muro da escola,
Lá está a poesia.

Num tubo de ensaio
Numa câmara fria
No desenho de um jato,
Lá está a poesia.

Somos todos artistas
E assim vivemos.
Somos todos poetas

E não sabemos

ARTEIRA

Com meu estúdio arrombado
Abandonei a Pintura
Meu tempo está dedicado
A tecer Literatura.

Desde criança escrevo
Não falta imaginação
Mas agora é que me atrevo
A fazer publicação.

Em minha chance primeira
De algum trabalho exibir
‘Poesia passageira’
Foi a primeira a surgir.

Perdido está o manuscrito
Do PC foi apagado
Mas o tenho aqui escrito
De memória, resgatado:

Poeta eu sei que não sou
Sim uma simples arteira
Brincar em versos estou
Pois a arte é brincadeira.

Abstrata é minha arte
Não faço figuração
Deixando as tintas à parte
Desenho versos no chão.

**//**

DOCE VAIDADE

Venho á Escrivaninha
Todo dia, de manhã
Colocar uma coisinha
Que escrevi com tanto afã.

Capricho na ortografia
Beijando cada palavra.
Seja prosa ou poesia
Da forma não sou escrava.

Depois de enviar o texto
Aguardo muito ansiosa
Ver a obra no contexto
Da Capa muito charmosa.

E quando um leitor atento
Um comentário escreve
É grande o contentamento
Por esta glória tão breve!

agosto 29, 2014

arrumando a caixa

após muitos dias sem atualizar a caixa, decidi dar uma repaginada
espero que gostem


janeiro 29, 2014

mitos antigos

"Quando a realidade incomoda, volto à mitologia em busca do sonho"

Painting by Casdiglione Giovanni Benedetto 1609-1663/65.
 Io the cow. In the background are seen Zeus ...

RUBENS, Peter Paul
(b. 1577, Siegen, d. 1640, Antwerpen)
Mercury and Argus

 Zeus, em forma de nuvem, abraça Io, de Antonio da Correggio.
Antônio Allegri (Correggio, c.1489 - Idem, 5 de março de 1534), pintor da Renascença italiana, contemporâneo de Leonardo e Rafael Sanzio, com obras nos principais museus de todo o mundo. (wikipédia)

janeiro 26, 2014

domingo nostálgico

Procurando uma gravura, uma xilo sobre Canudos (acho que a perdi), encontrei as três seguintes; cada uma com a sua história.
Usei guache sobre papel, pertencem à mesma época e merecem moldura.


Este trabalho teve como modelo um jarro de cerâmica que foi quebrado, não me lembro quando. Os potes e o vasinho ainda os tenho.
***


Este teve como modelo uma escultura, sem título, que aprendi com Laduzzi (já falecido) na Parreiras. Infelizmente foi furtada junto com outros objetos e livros em 2005, quando minha casa foi arrombada. Deve ter virado 'pó', os bandidos são usuários ...

***


Este me causa mais tristeza ao rever; trata-se da escultura 'Diva' que dei de presente ao pianista Eduardo Tagliatti (já falecido) que muito colaborou para o sucesso da Semana de Arte Moderna, comemorativa do aniversário de 80 anos da Semana de 22. 

*  **  *  **  *

Estas imagens foram escaneadas. Há um terceiro trabalho, em Pastel, retratando um cipreste plantado no jardim ao lado da varanda atual. Pois esta árvore foi arrancada com as raízes por um vendaval em dezembro de 2012. Não pude escanear porque está em moldura e não sei fotografar sem evitar o reflexo.


São trabalhos que não vendo, não troco nem empresto para exposição. Eles são as minhas Monalisas ... 

janeiro 22, 2014

depois da chuva



An den Mond

Language: German

Geuß, lieber Mond, geuß deine Silberflimmer
  Durch dieses Buchengrün,
Wo Phantasien und Traumgestalten immer
  Vor mir vorüberfliehn!

Enthülle dich, daß ich die Stätte finde,
  Wo oft mein Mädchen saß,
Und oft, im Wehn des Buchbaums und der Linde,
  Der goldnen Stadt vergaß!

Enthülle dich, daß ich des Strauchs mich freue,
  Der Kühlung ihr gerauscht,
Und einen Kranz auf jeden Anger streue,
  Wo sie den Bach belauscht!

Dann, lieber Mond, dann nimm den Schleier wieder,
  Und traur' um deinen Freund,
Und weine durch den Wolkenflor hernieder,
  Wie [dein]1 Verlaßner weint!

A la luna

Language: Spanish

Derrama, querida luna, tu brillo plateado,
A través del verdor de las hayas,
Donde fantasías y formas oníricas
Vuelan siempre tras de mí.

Revélate, para que pueda encontrar el lugar,
Donde mi muchacha se sienta,
Y a menudo, donde el viento de las hayas y los tilos,
Olvida la ciudad dorada.

Revélate, para que pueda disfrutar los arbustos
Que le susurran frescor
Y pueda dejar una corona sobre el prado,
Donde ella escucha el murmullo del arroyo.

Entonces, querida luna, entonces, vuelve a tomar tu velo,
Y llora a tu amigo,
¡Solloza a través de las nubes
Como solloza aquél que ha sido abandonado!

1 Schubert: "ein"

janeiro 10, 2014

um trilema:



você leva uma cantada à queima roupa, tipo: "vamos" ...

( ) você fica 'proud' (sou gostosa)
( ) você fica $uta (tá pensando o quê?, seu abusado)
( ) você não sabe como fica ...